laranja
Deixe um comentário

Que as igrejas e as famílias continuem com suas doutrinas, mas que o livre arbítrio seja livre.

As mulheres não fariam aborto se não tivesse sido abusadas,

As mulheres não fariam aborto se seus companheiros, namorados, maridos não as abandonassem com os filhos para criar,

As mulheres não fariam aborto se a sociedade não olhasse com desprezo para uma mãe “solteira”

As mulheres não fariam aborto se elas não quisessem, mas elas querem.

Claro que quem defende o aborto já nasceu, pois as milhares de mulheres que morrem nas clínicas ou em procedimentos clandestinos já não estão aqui para pedir.

E aqueles que acham que as mulheres devem primeiro ir a polícia para depois ter o atendimento médico: vocês já entraram numa delegacia – mesmo as ditas de apoio a mulher, e sabem o tempo que uma pessoa demora para ser atendida? Vocês sabem o procedimento para se tomar a pílula do dia seguintes, em quantas horas após o ato ela deve ver tomada para ser seguro para a mulher? Vocês sabem como é o procedimento para se tomar o coquetel anti HIV?

Vocês sabem que muitas mulheres que sofrem abuso são ameaçadas pelos estupradores (mesmo sendo seus companheiros) e que elas simplesmente não podem prestar queixa se não quem morre são elas.

Vocês sabem que ninguém é obrigado a fazer transfusão de sangue? Se você sofre um acidente e precisa de transfusão de sangue, mas você ou sua família tem a crença de que isso não é correto, você escolhe não fazer. Mas você pode escolher.

Vocês sabem que tratamentos invasivos como quimioterapia ou operações só são feitas com autorização do paciente e da família. A família escolhe, mas o médico pode dar as opções e explicar claramente todos os riscos.

Deixem que o aborto seja uma decisão da mulher, que ela faça a escolha.

Deixem que os médicos deem as informações corretas a seus pacientes.

Que as igrejas e as famílias continuem com suas doutrinas, mas que o livre arbítrio seja livre.

Foto: Danilo

Anúncios
Este post foi publicado em: laranja
Etiquetado como:

por

andeira que sou ando. ando, escrevo, leio e curto a estrada. de pés descalços vou seguindo a vida, abrindo a janela quando chove e com uma mala sempre pronta pra seguir. Partir é parte do caminho e chegada nem sempre o fim.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s