Author

andeira

Browsing

Quem acha que o fim do Minc vai acabar com a “mamata dos petralhas” é inocente ou ignorante? Nem todos os artistas que usam essas leis são do PT (vá ao teatro, ao cinema, ao circo, as galerias … que vai ver isso) e o fim do Minc não altera a lei Rouanet, ok! Então estão batendo palmas para a coisa errada.

Eu sou e sempre fui contra a lei Rouanet e você deve me chamar de petralha …  mas sigamos a conversa.

No governo dos presidentes FHC, do Lula e da presidenta Dilma eu sempre me manifestei contra esse mecanismo de fomento. Não acho certo dinheiro público ser gerido pela iniciativa privada, essa forma de fomento faz uma distorção muito grande frente do objetivo de incentivo imparcial da cultura. Com esse mecanismo não se tem alcançado a democratização nas esferas de território nem de segmentos, isso entre outras críticas, mas e você e contra a lei por quais motivos? Não vai me dizer que é por conta dos “vagabundos” que querem viver às custas do governo … Pois os números da cultura, e das pessoas que vivem dela com ou sem lei (maioria sem lei) desmentem isso fácil. Ou talvez você tenha outra definição de vagabundo que eu desconheço, mas se quiser compartilhar comigo vou gostar de aprender, sim eu gosto de aprender isso faz parte da educação, não é?

E por falar em educação. Para quem está achando avançado pensar que cultura e educação são a mesma coisa, você está muito atrasado! Já escrevi sobre isso e vou me repetir: sonho em viver num estado que não precise ter um ministério nem secretaria de cultura. Num estado que a consciência da transversalidade a cultura esteja interiorizada por todos os setores, da economia a agricultura. No entanto essa compreensão ainda não foi internalizada por isso acredito que precisamos de políticas de afirmação assim como a causa das mulheres, meio ambiente inteiro, por exemplo.

Quando o MinC foi separado da educação tinha-se a preocupação, de se ter um ministério que fosse um interlocutor com todas as áreas e não só a educação. Pois a cultura é transversal. Ah mas estamos em crise precisamos falar de dinheiro! Ok. Você sabe quanto o setor das artes e da cultura movimentam na economia? (Lembra do conceito de vagabundo). Lamento te informar que os meios de produção mudaram, as fontes de receitas não são mais apenas o chão de fábrica, os operários não são mais os únicos braços fortes para geração de dinheiro na economia. Nós estamos em 2015, para quem não sabe as artes e a cultura tem gerado muito emprego e renda do informal ao formal, de baixa complexidade até a alta capacitação técnica. Os diversos setores da cultura empregam e geram muito, muito dinheiro. Então desconsiderar isso, me faz acreditar que essas pessoas pensam que o pais deve apenas produzir na indústria: carros, geladeiras e bobinas e sinceramente se você pensa assim você é limitado ou industrial.

E para quem acha que os artistas estão se manifestando só pela cultura. Acha que os professores só se manifestam pelo seus salário e educação; que os secundaristas só reclamam da merenda; que certos movimentos som reclamam do preço da tarifa; que os garis só reclamam das suas condições de trabalho; que os moradores do Onça só reclamam do rio que passa na porta da casa deles;  que os verdes só reclamam dos Ficus; que os índios só pensam em defender a vida deles….

Me responda, você sem manifesta sobre o que? ….. tchammmm não vale falar que é contra corrupção, pois essa turma ai de cima toda também é. Essa turma aí é contra corrupção e a favor da transparência das contas pública, contra corrupção e a favor de direitos iguais, contra a corrupção em favor da valorização da educação … então se quiser dá pra ser mais objetivo. Vamos tentar?

Ou então vou continuar achando que você está batendo palmas ou panelas para a coisa errada.

Aceite é um ato voluntário que indica que se aprova. E eu não aprovo.

Então quem me pede para aceitar eu peço respeito, isso pra quem sabe o que respeito significa.

Pra lembrar, eu sou contra o governo que não fez reforma agrária e vou continuar sendo em qualquer governo que não a faça.

Eu sou contra o governo não demarcou terras indígenas e vou continuar sendo em qualquer governo que não o faça.

Eu sou contra governo que desrespeita os direitos das mulheres em opinar sobre seu próprio corpo, e vou continuar sendo em qualquer governo.

Eu sou contra o governo que criminaliza os movimentos sociais e vou continuar sendo em qualquer governo.

Eu sou contra governo que não defenda o meio ambiente inteiro (inclusive com as pessoas que vivem nele) e vou continuar sendo em qualquer governo que não o faça. (leia-se Katia Abreu, Belmonte, Samarco/Vale entre outras)

Eu sou contra governo que minimize os direitos trabalhistas e vou continuar sendo em qualquer governo que faça a vaca tossir, como já tossiu!

Eu sou contra parcerias público privadas nos termos que estão por aí e vou continuar sendo em qualquer governo.

Sou contra a qualquer governo que faça investigação seletiva. Vida longa as investigações sem restrição.

Eu não mudo de opinião porque muda o governo.

O que eu sou contra, todos já sabem!

E sou contra a forma como foi feito o processo de impedimento.

eu me reconheço no frio,

nos abraços, no aconchego, nos dengos! no calor.

eu me reconheço nas cores

alegres, tristes, frias e quentes.

eu me reconheço

no orvalho que prepara o dia na noite.

eu me reconheço

mulher com 45 anos, cabelos brancos e pernas forte.

eu me reconheço no tempo de andar,

sem pressa retornarei a todos, sem pressa!!!

pois quem anda sabe que cada passo tem seu tempo.

não tenho pressa de chegar, por isso vou sempre devagar.

andeira 45, desde 1971

Andeira 45

Você acha que eu sou governista por que estou nas ruas?

Quando o tarifa zero vai pra rua também é uma manifestação governista?

 

Vocês acham que está havendo abuso de poder nas acusações contra o governo?

Se fizerem acusações verdadeiras, mas por meios ilegais tudo bem pra você?

 

Você concorda com a política de reforma agrária do governo?

Os movimentos sociais de ocupação urbana e rural são todos governistas?

 

Você concorda que os julgamentos devam ser feitos pela imprensa?

Você concorda que um acusado possa ser amarado a um poste?

 

Você acha que movimentos como Tina Martins recebem pão com mortadela todos os dias para manterem suas atividades?

 

Você a acha que todo mundo que veste verde amarelo quer golpe militar?

Você acha que todo mundo que veste vermelho é do governo?

 

Você acha que a mídia está sendo correta ao selecionar o tipo de informação que vai ser repassada para a população?

Você acredita que o Moro é isento e é o salvador da pátria?

Você vota no Bolsonaro?

 

Todo mundo que é contra o governo é fascista?

Todo mundo que é pela democracia é governista?

Todo governo é comunista?

tudo que é desordem é anarquista?

A Câmara e o Senado federal são instituições anarquistas?

 

Você acha que todos os VERDES, como o Fica Ficus, Mata do Planalto estão de acordo com Katia Abreu no Governo.

 

O que você acha do Pre-Sal?

Você acha que a presidenta é a única responsável pela lei antiterrorismo?

 

tudo é o que parece?

Fui pra rua ontem? Já estava lá!

Tive medo? Tive medo.

Escolhi roupa pra sair de casa? Escolhi. Não podia ser vermelho, verde -amarelo, preto ….

Encontrei muitos amigos na mesma situação e com medo? Encontrei.

Carreguei bandeiras do tarifa zero, resiste izidora, legalização do aborto, fora lacerda e fora Pimentel? Carreguei. (pra quem não sabe estes movimentos também são contra a corrupção) Opa mas Pimentel não é do PT? A é cim! Mas quando estamos em lugar de diversidade podemos falar!

Recusei adesivo do PT? Recusei e não fui hostilizada por isso.

Recusei bandeira do PT? Recusei e não fui hostilizada por isso.

Polícia ficou de boa? Ficou. Assim como no dia 17 PM ficou de boa, fechou o transito quando precisou, não ficou pressionado a manifestação (até onde eu vi, foi a primeira vez que vi tanta gente na rua sem embate com a PM)

Gritei não vai ter golpe? Gritei, mesmo achando que o golpe já foi dado (te todos os lados)

Gritei Fora Pimentel? Gritei.

Gritei FORA LACERDA? Gritamos! bateria e manifestantes de BH aceitaram o nosso pedido e gritamos sim, Fora Lacerda, também!

Ficamos no boteco na concentração da manifestação? Ficamos. Discutimos política e muito. Quem era contra a nomeação do Lula como eu, falou. E falamos das alianças espúrias com PMDB e demais  partidos. Quem era contra o vazamento seletivo de informações das investigações falou. E falamos do Pré Sal e da Kátia Abreu. Quem era a favor da saída da Dilma falou.  Quem era a favor dela ficar falou também. Falamos da falta de reforma agraria, falamos da Lei Antiterrorismo (avaliamos os vetos também) Falamos do Penta Aécio, falamos do Helicóptero, Falamos do Cunha, Bolsonaro. Falamos das mídias irresponsáveis. E falamos das cidades que queremos.

Ali tinha gente de vermelho com estrela no peito, tinha vermelhos sem PT (sim tem vários movimentos que usam o vermelho e não são PT – aceite isso!), tinha gente de preto, tinha gente vestida de paisagem, tinha gente colorida e tinha gente de verde amarelo. Sim todos juntos, ideias divergentes em alguns pontos e unidos em outros. A maioria quer moralização da política sem a desmoralização da justiça e sem manipulação da mídia. Que se faça impeachment pelos ritos previstos, que se julgue, dentro da lei. (Até onde sei o impeachment está sendo pedido pelas pedaladas fiscais, Bora fazer outro pedido pela Lavajato –  tirando geral?)

Fui na manifestação a favor do impeachment no dia 13? Não fui.

Fui na manifestação dia 17? Fui. Fui com a manifestação da praça da Savassi até a praça da Liberdade. Fiquei até o fim da manifestação? Não. Não fiquei por que não era um lugar seguro para uma mulher sozinha que não aceita xingamento machista contra a presidente assim como também para nenhuma outra mulher. Não era lugar seguro para uma mulher sozinha que não aceita fazer exaltação a Policial Militar, representante de uma das policias mais violentas do Brasil. Não era um lugar seguro para uma mulher sozinha recusar a carregar bandeira do Brasil, por pensar diferente sobre a construção deste símbolo. Não era um lugar seguro para uma mulher sozinha que mesmo tendo algumas opiniões iguais quer ter o direito de opinar quando pensa diferente. E eu penso que os fins não justificam os meios. Vamos fazer justiça? Vamos! Tem lei? Tem lei. Então que a use, sem precisar de colocar os justiceiros da mídia para fazer julgamentos.

Quando a gente tá na rua é assim, vemos e ouvimos os movimentos de todos os lados. Temos medo? Temos! mas, entre amigos eu sei que posso discordar.

 

Os fins justificam os meios?

Pra quem acha que vale tudo pra pegar quem fez de tudo. Tá tudo certo.

Quer fazer diferença, então não faça igual.

E o balaio de iguais

só aumenta do lado de quem pode mais.

Eu duvido da legitimidade da justiça? Então passo por cima dela!

Acho que não ganho no discurso então saboto o adversário!

Acho que está ruim pra mim então piso em quem for pra me safar.

Quero democracia mais delego poder a outrem fora do contexto!

monarquia, autoritarismo, totalitarismo, centralização … Opa, mas não é isso que nós queremos combater?

Vergonha por ter vontades desconexas de ações.

Se eu não acreditar na democracia, vou pra onde então?

se eu não acreditar na justiça faço o que?

Eu hein!

 

Relendo o texto vejo que Chico e Francisco vão ler e um vai pensar que estou falando do outro. Mas releia o texto e veja que estou falando de nós. Mas releia o texto e veja que estou falando de nós.Mas releia o texto e veja que estou falando de nós.

Se tudo pode – tudo podemos. Ainda é tempo de parar, pensar e refazer. Fazer diferente para mudar, fazer diferente para fazer a diferença!

Igual não faz diferença

me dê voz que eu grito

me dê voz que eu grito

me dê voz que eu grito

 

me de espaço que eu ocupo

me dê espaço que eu ocupo

me dê espaço que eu ocupo

 

me dê liberdade que eu voo

me dê liberdade que eu voo

me dê liberdade que eu voo

 

mas se não me der voz, espaço ou liberdade eu grito mais alto, eu ocupo mais espaço e eu voo ainda mais alto. pois sou dessas de ganhar flor e de mandar bomba.

mulher.

 

Ocupação Tina Martins BH